Jogos como recurso de aprendizagem

A ludicidade sempre teve um lugar muito importante na educação das crianças, e não é de hoje que os jogos são utilizados como instrumento para proporcionar um aprendizado mais dinâmico, divertido e que respeita o ritmo de cada aprendiz.

Nesse momento peculiar que a educação está vivendo, com as crianças em frente às telas nas aulas on-line, a dificuldade de manter o foco nas aulas expositivas estão ainda mais evidentes. Por isso, os jogos podem ser grandes aliados do professor nas aulas remotas, com sua linguagem e dinâmica que atraem os estudantes e geram engajamento com o conteúdo curricular da Matemática à Língua Portuguesa.

Quando escolhidos de acordo com a intenção pedagógica da aula, com o planejamento e orientação adequadas, os jogos podem ajudar a introduzir um novo conteúdo, a verificar a consolidação da aprendizagem ou revisar o que já foi ensinado.

É inegável a contribuição de jogar para desenvolver habilidades cognitivas, estreitamente ligadas ao raciocínio lógico. Entre elas, pode-se citar a elaboração de estratégia, levantamento de hipóteses, tomada de decisão, argumentação e negociação. Todas essas habilidades, por sua vez, oportunizam desenvolver a linguagem oral e colocar em prática a capacidade de expressão do jogador.

Mas você já parou para pensar o quanto esse recurso pode trabalhar o aspecto socioemocional? Jogando, as crianças experimentam interações com o outro, podendo conviver regras pré-estabelecidas ou criadas em consenso pelos participantes, aprender a antecipar as reações do adversário, a respeitar sua opinião, a colaborar, além de lidar com derrotas e frustrações.

Nesse sentido, lançar mão de jogos para ensinar ajuda na construção de noções importantes para toda a vida, como a tolerância e o julgamento moral.

Conheça alguns jogos que compõem o catálogo da Brink Mobil e as habilidades que podem ser trabalhadas com cada um deles:

  • Xadrez: desenvolve a habilidade espacial, ativa a concentração e a memória;  demanda a capacidade de planejamento para a elaboração de estratégias e tomada de decisões. O xadrez trabalha a paciência e o respeito ao adversário.
  • Dominó: trabalha o raciocínio lógico por meio da observação, reflexão, tomada de decisão e argumentação. Jogar dominó também desenvolve o raciocínio aritmético, auxiliando no aprendizado da Matemática.
  • Quebra-cabeça: ajuda no desenvolvimento neurológico, psicomotor, na capacidade de concentração, resolução de problemas, noção espacial e percepção visual.
  • Jogo da memória:  desenvolve o pensamento independente, raciocínio lógico, a criatividade e a capacidade de concentração.
  • Bingo do alfabeto: estimula o aprendizado das letras e desenvolve a concentração, atenção e percepção visual.
  • Jogo da velha: exercita o raciocínio lógico e o desenvolvimento de noções espaciais e coordenação motora. O jogo trabalha a habilidade de criar estratégias e prever o movimento do adversário.

Confira no site outros recursos da Brink que podem auxiliar a prática pedagógica e potencializar a aprendizagem!