Videoaula e redes sociais despontam na jornada do aluno

Estudar com ajuda de recursos digitais, acompanhando aulas em vídeo, sem deixar de lado os sites e aplicativos de educação. Esta é a nova realidade de uma parcela relevante de alunos espalhados por todo o Brasil, segundo recente pesquisa da Passei Direto, a maior rede de estudos do país, que recentemente foi adquirida pelo UOL EdTech, maior empresa de tecnologia para educação do Brasil.

O levantamento confirma a tendência do uso crescente de tecnologias na educação ao apontar, por exemplo, que as videoaulas são o principal tipo de material de estudo para 57% dos estudantes que participaram da pesquisa, à frente inclusive dos tradicionais livros didáticos, usados como ferramenta de aprendizado por 54% dos alunos.

Realizado com o objetivo de identificar os hábitos de estudo em todo o Brasil, o levantamento contou com a participação de 1.752 usuários da rede colaborativa da Passei Direto, alunos de graduação que responderam um questionário online entre novembro e dezembro de 2020. O estudo considerou uma ampla abrangência etária e social, com participantes de todas as regiões do país.

Quando questionados sobre o uso de redes sociais voltadas para o estudo, mais da metade (67%) dos alunos que participaram da pesquisa afirmaram que seguem páginas e usam aplicativos que podem ajudar em sua jornada de aprendizado. O dado endossa a tendência de comportamento já bastante disseminado, em que os estudantes se valem de múltiplos recursos digitais para aprender quando e de onde quiserem, quebrando as barreiras físicas do ambiente tradicional de uma sala de aula.

Rodrigo Salvador, cofundador e diretor da Passei Direto, destaca: “A pesquisa reforça a relevância da educação digital na jornada do estudante e atesta a capacidade da tecnologia para encurtar distâncias e permitir o acesso mais democrático ao conhecimento. No contexto da pandemia, com as aulas sendo ministradas de maneira remota, isso ficou ainda mais evidente. Com isso, torna-se ainda mais importante que a inovação esteja no centro dos investimentos das empresas de educação a fim de garantir uma formação de qualidade aos estudantes, sempre alinhada com o cenário atual.”

Com efeito, a pandemia do novo coronavírus provocou transformações relevantes também na área de educação, consolidando ainda mais a modalidade de ensino online. Ainda de acordo com o levantamento da Passei Direto, 51% dos alunos que participaram da pesquisa estão em EAD, 28% deles têm aulas no presencial e 21% seguem o modelo semipresencial, com aulas online e presenciais.

Apesar de toda a pulverização dos recursos digitais voltados à educação, o brasileiro ainda estuda poucas horas fora do contexto de aula. De acordo com o levantamento, 33% dos alunos dispensam somente de uma a duas horas por semana aos estudos fora do horário regular de suas aulas, 29% deles investem de duas a quatro horas por semana para reforçar o conteúdo aprendido em aula e 15% aplicam de quatro a seis horas de estudo semanal fora de sua grade regular.

Fonte: XCOM Agência de Comunicação