Tangram: como usar o quebra-cabeça para desenvolver habilidades e competências

De origem chinesa, o Tangram é um quebra-cabeça constituído por sete peças geométricas. Com cinco triângulos, um quadrado e um paralelogramo, é possível formar milhares de figuras diferentes.

Dessa forma, o jogo pode ser um importante recurso didático para desenvolver o raciocínio lógico, o pensamento matemático e a criatividade das crianças.

A ideia do jogo é bem simples, mas é importante seguir duas regras. Primeiramente, é preciso usar as sete peças para criar as figuras. Ou seja, nenhuma pode ficar de fora. Além disso, as peças não podem ser sobrepostas. Assim, é possível formar, por exemplo, animais, plantas, letras, números e figuras geométricas. Para isso, basta imaginação, observação e habilidade.

<<< Leia também: Os jogos e o desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático

O Tangram em sala de aula

O jogo pode ser usado desde a Educação Infantil. Porém, para cada etapa de ensino, utiliza-se uma abordagem diferente. Com as crianças mais novas, por exemplo, seu uso é mais lúdico. Assim, os pequenos podem formar figuras, manusear e reconhecer as formas geométricas. Já no Ensino Fundamental, o Tangram pode ser usado como recurso didático, auxiliando no desenvolvimento de habilidades e competências importantes.

Anderson Minosso, assessor de matemática do Sistema de Ensino Aprende Brasil, conta que o Tangram é bastante utilizado nas aulas de matemática. Isso porque, por ser manuseável, o jogo torna o conteúdo mais palpável e concreto. “Muitas vezes, apenas falar dos conceitos da matemática pode ser muito abstrato para as crianças”, afirma o assessor.

A seguir, elencamos alguns temas da matemática em que o jogo pode ser inserido como recurso didático:

– Tipos de figuras;
– Número de lados;
– Semelhanças e diferenças;
– Relações espaciais;
– Ângulos retos ou não;
– Formas geométricas planas;
– Composição e decomposição de figuras;
– Área e perímetro;
– Frações;
– Razão e proporção;
– Conceitos algébricos.

Além da matemática, o quebra-cabeça também pode ser usado em outras áreas do conhecimento. O planejamento e a criatividade de cada professor é que fará a diferença na hora de inserir o Tangram nas aulas.

Habilidades e competências

Para formar figuras com o Tangram, é preciso concentração, paciência, habilidade e sensibilidade. Por isso, os benefícios do jogo vão além do ensino e aprendizagem da matemática. O quebra-cabeça é uma excelente ferramenta para trabalhar a paciência, a resiliência, a atenção, o foco e a memória dos alunos.

Assim, o Tangram pode contribuir com o desenvolvimento de competências e habilidades estabelecidas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Segundo Anderson, “a própria BNCC diz que nós, educadores, precisamos ver a aprendizagem das nossas crianças de forma global e constante. A resolução de problemas, por exemplo, passa não só pela matemática, mas é fundamental no nosso dia a dia”.

O jogo permite que a criança procure caminhos e estratégias, além de trabalhar erros e acertos. “Assim, o Tangram contribui para o desenvolvimento do pensamento crítico, criativo e científico, preconizados pela BNCC”, acrescenta o assessor de matemática.

Brinquedos pedagógicos

O Tangram é um dos jogos pedagógicos que fazem parte do portfólio da Brink. Feito em MDF, o quebra-cabeça propicia a vivência e a exploração das relações matemáticas. Clique para conhecer!

Leia mais:

<<< Aprendizagem maker: por que é essencial nos dias atuais?
<<< Como diagnosticar, acolher e educar crianças com transtornos de aprendizagem