Realidade virtual: como a tecnologia é aplicada na educação

Realidade Virtual na Educação

Se inserir em um ambiente virtual como se ele fosse físico, porém, tudo não passa de uma simulação: essa é a definição da realidade virtual. A tecnologia de interface entre um usuário e um sistema operacional por meio de recursos visuais e sonoros permite a total imersão no ambiente simulado. Atualmente as escolas estão repletas de crianças e adolescentes nativos digitais (ou seja, que já nasceram em um ambiente com tecnologia predominante e dominam as ferramentas de maneira mais natural do que as outras gerações). Por isso, o uso da realidade virtual na educação se faz necessária para ajudar no envolvimento dos estudantes e facilitar a aprendizagem. 

“A palavra-chave da realidade virtual é a imersão que possibilita. E, com o avanço da tecnologia, temos alguns dispositivos como óculos e headsets que torna a sensação ainda mais profunda” define a coordenadora de tecnologias educacionais da Brink, Silvana Zilli. 

Uma realidade

Hoje, a Brink Mobil desenvolve alguns projetos na área de realidade virtual. Entre eles um que engloba o trabalho com Ciências e Matemática, voltado a adolescentes que cursam o Ensino Médio. Isso quer dizer que no ambiente virtual, o aluno consegue realizar vários experimentos com equipamentos e recursos virtuais. “É como se ele estivesse em um laboratório de ciências e matemática realizando vários experimentos”, explica Silvana. 

Desta forma, o ambiente virtual traz ainda um suporte técnico e pedagógico para que o professor saiba como aplicá-lo em sala de aula. E, além do óculos de realidade virtual, o uso também é possível apenas no computador (neste caso, a imersão do usuário é menor). 

Contudo, a realidade virtual permite não apenas o envolvimento da criança e do adolescente. Silvana frisa que a tecnologia contribui para simular situações que seriam mais difíceis de serem realizadas de modo concreto, por conta de recursos físicos e financeiros.

“O laboratório virtual pode somar ao físico, o que permite ao professor em sala de aula criar várias estratégias de ensino. O ganho educacional é infinito”, fala Silvana. 

Vantagens da realidade virtual para a educação: 

  • Dá acesso remoto 
  • Permite mais foco e concentração 
  • Possibilita experiências que seriam impossíveis ou muito caras fisicamente
  • Promove maior integração entre os colegas
  • Tira os alunos da rotina, quebrando a monotonia 

Expansão na pandemia 

O isolamento social imposto pela pandemia de coronavírus e o ensino remoto deixaram latente a necessidade de tecnologia. De acordo com Silvana, após este período, as escolas passaram a se interessar ainda mais por tecnologias como a realidade virtual e a robótica. “Quando apresentávamos projetos de robótica, muitos gestores de escolas diziam que não tinham nem o recurso básico. Com a pandemia e a defasagem criada na aprendizagem, eles enxergaram a necessidade de inovar e trazer novos recursos para a sala de aula”, conta a coordenadora.

Usos e ensino híbrido 

Assim como as empresas, é possível que escolas e outras instituições de ensino adotem um modelo híbrido (parte presencial e parte remoto) em suas operações daqui em diante. Por isso, na educação, a realidade virtual pode ser utilizada em situações como: 

  • Aprendizado de idiomas: a realidade virtual permite ao estudante visitar países sem sair da sala de aula ou de casa. Assim, há maior a imersão e conhecimento cultural da língua, tornando a aprendizagem mais natural. 
  • Conhecimento prático: em uma aula de Biologia, por exemplo, os alunos podem ir à Antártida por meio da realidade virtual e conhecer elementos como a fauna local. 
  • Visitas guiadas. A ferramenta possibilita ver campi de escolas e outras instituições, além de museus (Fonte: Grupo SEB). 

Leia Também

Desatenção em sala de aula: uma solução para esse problema constante

Ensino interdisciplinar para uma aprendizagem mais criativa