Educação ambiental: dicas práticas para ensinar crianças sobre o tema

Ensinar para o consumo consciente e para a formação de jovens comprometidos com o ambiente em que vivem. Esses são os principais objetivos da educação ambiental. Atualmente, a pauta é cada vez mais discutida. Por isso, é importante que a escola também insira essa temática dentro de sala de aula.

Aliás, não necessariamente dentro da sala. A educação ambiental é uma excelente oportunidade para o professor trabalhar com conteúdos práticos, vivências e experiências, por exemplo. É o que afirma a professora Sônia Maria Alves Domingues, que leciona há mais de 30 anos.

“Eu uso dinâmicas e experiências para sensibilizar as crianças sobre a questão ambiental. Isso porque elas precisam vivenciar o que está sendo dito em sala de aula”, afirma a professora, que já foi premiada quatro vezes pelo prêmio Ler e Pensar, de boas práticas em sala de aula.

<<< Leia também: Aprendizagem maker: por que é essencial nos dias atuais?

O que diz a lei da educação ambiental

A educação ambiental deve ser um componente essencial e permanente da educação nacional. É o que diz a Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), de 1999.

Além disso, conforme a lei, a educação ambiental deve estar presente em todos os níveis de ensino, do básico ao superior. Por ser um conteúdo de caráter transversal, a educação ambiental pode – e deve – ser trabalhada por professores de todas as disciplinas, inclusive, de forma interdisciplinar.

Como vimos, a educação ambiental também deve estar presente no ensino superior. Dessa maneira, na formação de professores, o tema é trabalhado como disciplina específica, obrigatória ou optativa, ou, ainda, de forma transversal.

Importância da educação ambiental nas escolas

A professora Sônia diz que se sente como uma “semeadora” ao ensinar os alunos. “E se eu semear muitas sementes, muitas delas vão germinar”, afirma. Atualmente, ela dá aula na Escola Municipal Paulo Freire, em Curitiba (PR), para alunos de 6 a 12 anos.

“Eu me sinto motivada em transmitir os conhecimentos que tenho para os alunos, bem como, provocar neles reflexões. O futuro das próximas gerações depende dos nossos atos agora”, destaca.

A professora Silmara de Souza Prestes Bertolino também se dedica a trabalhar a educação ambiental com os alunos. Ela, que leciona há 23 anos, atualmente trabalha na Escola Municipal Dom Manuel da Silveira D’elboux, em Curitiba (PR).

“É preciso pensar na criança como um ser humano total, capaz de transformar. Mas, para transformar, ela precisa conhecer”, defende a professora. “Nós precisamos passar essa consciência ambiental para os alunos. Eles aprendem de forma prazerosa sobre o meio ambiente. Além disso, eles levam o que aprenderam para casa e para comunidade”, acrescenta.

Dicas para colocar a educação ambiental em prática

Como vimos, a educação ambiental pode ser uma excelente oportunidade para o professor inovar na escola. Veja algumas dicas de colocar em prática esta temática.

educação ambiental
A educação ambiental pode ser uma boa oportunidade para o professor inovar e utilizar outros espaços da escola. Foto: Acervo pessoal
  • Separação do lixo. O professor pode desenvolver projetos de separação do lixo na escola ou na própria sala de aula. Aqui, o objetivo é que os alunos aprendam sobre reciclagem e coleta seletiva.
  • Produção de papel reciclado. As crianças produzem papel reciclado com as sobras de papéis de outras atividades. O papel pode virar cartões para amigos e para a família, por exemplo. Dessa forma, é possível trabalhar sobre reutilização de materiais e reciclagem.
  • Troca de brinquedos. Os estudantes trazem brinquedos que não usam mais e trocam com os colegas. Assim, o que não faz mais sentido para uma criança, ganha um novo uso com outra.
  • Doação de uniforme escolar. O aluno é instigado a doar os uniformes que ele não usa ou não serve mais. Dessa maneira, ele aprende sobre consumo consciente e reutilização de materiais.
  • Posto de coleta de óleo. A escola pode montar um posto de coleta de óleo. Então, alunos, professores e comunidade podem trazer o óleo para ser reutilizado.
  • Jardins de mel. O professor pode implantar, junto aos alunos, colmeias de abelhas sem ferrão. Uma forma lúdica e divertida de trabalhar questões como sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

Horta na escola: como fazer?

Há dez anos, a professora Sônia mantém uma horta na escola em que trabalha. “A horta é meu grande campo de experiências. Dessa forma, os alunos conseguem ver a vida acontecendo; não é só um desenho”, explica.

Com o projeto da horta, a professora trabalha a composição do solo, bem como a formação de raízes, caules, flores e frutos. Mas o que as crianças gostam mesmo é de colocar a “mão na massa”. Assim, tudo que é feito na horta tem a presença delas, desde o plantio até a colheita.

A horta fica no jardim da escola e foi feita em formato de mandala. Dessa maneira, os alunos plantam alface, cebolinha, salsinha, rabanete, couve, beterraba e outros vegetais. Então, a produção da horta transforma-se em almoço para os alunos. Muitas crianças, inclusive, aprenderam a comer hortaliças e a ter sempre cinco cores no prato.

horta
O que é produzido na horta vai para o almoço dos alunos. Foto: Acervo pessoal

Por fim, o professor que não tem um espaço viável na escola, podendo fazer uma horta com garrafas pet, vasos ou pneus. É preciso colocar a criatividade em ação. Assim, os alunos podem decorar do jeito deles. Outra dica é fazer horta suspensa ou com canos PVC, por exemplo.

Conforme a professora, só ama a natureza aquele que viu todo o processo. “Dessa maneira, as crianças precisam ter contato com a terra, mexer, plantar, colher. É fantástico trabalhar dessa forma com elas. Além disso, é maravilhoso o quanto elas aprendem”, conclui.

Aprender jogando

Jogos também podem ser excelentes aliados para despertar a consciência ambiental das crianças. Por exemplo, o jogo de tabuleiro Exército da coleta seletiva desenvolvido pela Brink. Outros jogos que integram a mesa digital interativa também conscientizam as crianças sobre a importância de separar o lixo corretamente. Uma forma criativa e lúdica de ensinar os pequenos a cuidar do nosso planeta.