A importância de utilizar materiais concretos no ensino da Matemática

A disciplina de Matemática exige do professor muito mais do que o giz, a lousa e os livros didáticos. A natureza abstrata dos conceitos matemáticos é um desafio para docentes e alunos. Então, para resolver essa equação do processo de ensino-aprendizagem, o uso de materiais concretos se torna uma importante alternativa no ensino da Matemática. 

Leia também: Educação financeira: como abordar o tema em sala de aula

Afinal, quem não lembra do bom e velho ábaco, por exemplo? A ideia, então, de usar estes itens visa construir a abstração por meio de estímulos que explorem os demais sentidos. “Os materiais concretos, quando utilizados em sala com intenção de dialogar com os objetivos de conhecimento de matemática, tornam o aprendizado dinâmico e prazeroso. Criam um ambiente interessante de investigação e descobertas”, afirma a coordenadora de Matemática da Brink Mobil, Michelly Vedova. “A abstração começa com o apoio dos sentidos”. 

De acordo com ela, a utilização destes materiais oferece estímulos e favorece a criatividade. E também privilegia a comunicação, a resolução de problemas, a argumentação e a percepção de relações entre diferentes conceitos e contextos da realidade. 

“O uso de materiais concretos no ensino da Matemática propicia vivências pedagógicas . Nelas, os estudantes têm papel ativo no processo de ensino e aprendizagem. A ação das crianças e adolescentes sobre objetos reais é imprescindível no processo de construção de novos saberes.”

Dessa forma, os recursos manipuláveis beneficiam o aprendizado durante toda a vida escolar. “Desde o brincar como componente essencial para as relações de aprendizagem das crianças, que em diversas situações pressupõem a oferta de materiais concretos, até os processos de construção de conceitos complexos pelos adolescentes, os objetos e recursos concretos são a chave para uma aprendizagem lúdica, interessante e rica em significados.”

Materiais estruturados e não-estruturados

Os materiais concretos no ensino da Matemática se dividem em estruturados e não-estruturados. O primeiro grupo tem uma proposta definida, enquanto o segundo depende da criatividade do professor. 

Entre os itens estruturados, destaque para a Escala Cuisenaire. Criada pelo professor Georges Cuisenaire, nos anos 1950, ela trabalha conceitos com o uso de barras. “É um exemplo de material estruturado muito versátil para explorar alguns conceitos básicos da matemática. Entre eles estão a ordenação, a contagem, as operações fundamentais (adição, subtração, multiplicação e divisão). Além disso, possibilita a quantificação de dados e construção de gráficos de barras”, exemplifica.

Escala Cuisenaire é um exemplo de material concreto estruturado. Divulgação/Brink Mobil

Em contrapartida, encontramos no cotidiano os materiais não estruturados. São objetos como tampas de garrafa, palitos, dados, caixas de ovos, entre outros, que ajudam a explorar a matemática. 

Laboratório de Matemática

O Laboratório de Matemática da Brink Mobil é formado por um conjunto de materiais concretos e por um livro de orientações pedagógicas. Divulgação

O Laboratório de Matemática da Brink é estruturado com um conjunto de materiais concretos e com um livro de orientações pedagógicas para o professor. Além disso, a proposta também conta com capacitação presencial ou à distância para professores de matemática e equipe pedagógica. 

“Os elementos funcionam como engrenagens que se completam e dão movimento ao projeto. Assim, o objetivo é atender os objetivos principais de favorecer a criação e desenvolvimento de atividades experimentais, e propiciar a relação entre a teoria e a prática.”

Os jogos e recursos didáticos do Laboratório de Matemática da Brink Mobil são fundamentados na legislação e na documentação educacional vigente, assim como em teóricos contemporâneos. Além disso, o conjunto de materiais possibilita criar um ambiente de investigação e descobertas que colabora com o desenvolvimento de competências e habilidades de raciocinar, comunicar e argumentar matematicamente, dos anos iniciais do Ensino Fundamental ao Ensino Médio.

Leia também:

Como recuperar a aprendizagem prejudicada pela pandemia?

A contação de histórias e os 5 campos de experiência propostos pela BNCC

Brincar é coisa séria: como os playgrounds contribuem para o desenvolvimento motor