A contação de histórias e os 5 campos de experiência propostos pela BNCC

Contação de histórias

Um mundo cheio de princesas, bruxas, florestas, lobos, sacis e curupiras. A contação de histórias promove a interação com mundos mágicos criados pelos homens, desde o tempo das cavernas. Na infância, a interação com as narrativas estimula o encontro com sentimentos de felicidade, medo, angústia, bem como, coragem. Tudo isso faz parte de uma boa história.

A contação de histórias promove a interação com mundos mágicos. Foto: FreePik.

A reflexão é da mediadora de leitura Sueelem Witsmiszyn, especialista em Contação de Histórias e Literatura Infantil e Juvenil. Segundo ela, nós precisamos de fabulações, de invenção, de imaginação, o que é proporcionado pela contação de histórias.

Sueelem destaca que não existe uma idade específica para começar a contar histórias. Muitas mães contam histórias para seus bebês ainda na fase da gestação. As cantigas de ninar, por exemplo, podem ser consideradas narrativas sonoras. De qualquer forma, é claro que a interação com este momento muda conforme a idade das crianças.

A contação de histórias e a BNCC

Antes mesmo de ser alfabetizada, é por meio da linguagem oral ou visual que a criança tem o primeiro contato com as histórias. Contar histórias promove o desenvolvimento de importantes habilidades, ainda na fase da primeira infância. Todas essas habilidades têm uma estreita ligação com os cinco campos de experiência propostos pela BNCC (Base Nacional Comum Curricular) para a Educação Infantil.

Por isso, abordamos a seguir a relação entre cada campo de experiência e a contação de histórias, com o auxílio da Lidiamara Gross, bibliotecária, responsável pela Divisão de Coleções Especiais da Biblioteca Pública do Paraná (BPP), e com Thiago Dominoni, especialista em Literatura e Língua Portuguesa.

1 – Eu, o outro e o nós

Este campo de experiência enfatiza a construção da subjetividade e da identidade do indivíduo. Neste sentido, a contação de histórias pode ser uma excelente maneira de germinar afeto entre diferentes. Vale lembrar que contar histórias é um estímulo para construir relações e afetuosidades. Ou seja, reconhecer as nossas diferenças culturais, e por elas, apreender a capacidade de alargar mundos.

2 – Corpo, gestos e movimentos

É um campo que foca na exploração dos movimentos e uso dos espaços. Dessa forma, busca-se construir referências para as crianças relacionadas à ocupação do mundo.

Visitar as diferentes linguagens artísticas pelo espaço de contar história desenvolve nossa sensibilidade crítica, nossas habilidades motoras e nossa maneira de construir e colaborar com a construção de ideias e pensamentos para a nossa sociedade. Então, a história, como espaço de pertencimento e reconhecimento de si, contribui para visitar cada espaço que nos ocupa e dimensioná-lo.

3 – Traços, sons, cores e formas

É um momento para valorização da linguagem musical. Além disso, também enfatiza o contato com as linguagens visuais, envolvendo a pintura, desenho, colagem, e outras.

A contação de história articula as diversas formas de expressão: corpo, palavra, sons e imagens. Foto: FreePik.

A contação de história articula as diversas formas de expressão: corpo, palavra, sons, imagens, materialidades. É também uma relação de aprimoramento de escuta, sensibilidades e vulnerabilidades.

4 – Escuta, fala, pensamento e imaginação

O foco de trabalho desse campo de experiência é a linguagem oral. Aqui, encontramos o ponto principal para fazer algo que contação de histórias mais exercita: relacionar-se com o outro, pelo outro e para o outro.

Contar histórias é um exercício de escuta permanente, além disso, também aumenta o repertório de palavras e conhecimentos sociais e culturais. Isso porque, o exercício constante da ficção é um exercício de empatia, de colocar-se sobre outros pontos de vista, sem julgá-lo, sem experimentá-lo com autoridade, mas ouvi-lo.

5 – Espaço, tempo, quantidades, relações e transformações

Por fim, o intuito é proporcionar a construção de espaços estáticos e dinâmicos, noções de tempo físico, ordem temporal e histórica. Dessa forma, a criança ouvinte das histórias vai se utilizar dos conhecimentos de encadeamento lógico da sequência da história como: início, meio e fim.

Para incrementar as histórias

A Brink Mobil oferece brinquedos pedagógicos que estimulam esse momento tão importante no desenvolvimento da criança. O teatro de fantoches em madeira e conjunto de fantoches deixam a contação de histórias ainda mais divertida!

Leia também

Brincar é coisa séria: como os playgrounds contribuem para o desenvolvimento motor

Como organizar o espaço para o aprendizado na Educação Infantil?